A impotência sexual oferece risco de vida?

A impotência sexual masculina que também é chamada de disfunção erétil é definida pela incapacidade de manter (ou mesmo de obter) a ereção do pênis rígida o suficiente para manter uma relação sexual satisfatória para ambos os parceiros.

Esta incapacidade só é considerada uma disfunção quando ocorrer mais ou menos em 60 % das tentativas.

Alguns homens passam por uma situação de incapacidade uma ou duas vezes e já se consideram impotentes. Não ter êxito uma vez ou duas é normal e todos os homens passam por isto pelo menos uma vez na vida, mesmo os que são considerados ainda jovens para uma disfunção.

A impotência sexual por si só, é um problema de saúde que não oferece risco de vida do indivíduo.

Contudo as consequências que podem resultar desta disfunção são a vezes devastadoras levando o paciente a romper relacionamentos, baixando a autoestima e levando a casos profundos de depressão.

Nossa sociedade alimentou por décadas um mito de que o homem deve estar sempre pronto para o ato sexual e não pode “falhar”. Independentemente da situação em que se encontra ele deve responder sempre positivamente na sua performance sexual.

Como já dissemos a doença em si não oferece nenhum risco, mas a pressão sofrida pelo homem, a timidez em falar do problema, as piadas que giram em torno deste fato, acabam afastando o paciente da busca pela solução, que pode ser algo tão simples como comprar tittanus e reativar a libido.

Sem ajuda adequada para superar o problema o paciente vai perdendo a vontade sexual e se sentindo assombrado pelo fantasma do fracasso.

A impotência ou disfunção erétil é causada por vários fatores que geralmente tem solução fácil e rápida, mas para que isto ocorra, é necessário buscar orientação de um profissional que através de sua informações e exames vai chegar ao diagnostico, causa e um tratamento adequado para cada caso.

A causas podem ser:

  • Físicas:

Alcoolismo, uso de drogas, obesidade, doenças crônicas, diabetes, alcoolismo, fumo, hipertensão, uso prolongado de alguns medicamentos, desequilíbrio hormonal e outros.

  • Psicológicas:

As causas psicológicas podem ser provocadas por estresse, ansiedade, trauma emocional, autoestima baixa, medo de “falhar” no ato sexual e outros.

Seja qual for a causa é possível encontrar uma solução juntamente com um profissional da área (urologista) ou se for o caso ele encaminhará para um psicólogo.